Blog voltar

Compartilhar
3
maio

Auxílio-moradia para os médicos residentes

Os Programas de Residência Médica (PRM) são uma modalidade de ensino de pós-graduação destinada aos médicos e que, ao ser concluída integralmente, garante ao residente o título de especialista na área em que atuou no programa de residência médica. Foram instituídos pelo Decreto nº 80.281 com o principal objetivo de ensinar o médico, na prática, situações que complementam o seu conhecimento da graduação, confirmando o seu caráter educacional. Além disso, são considerados a forma mais eficiente de capacitação e especialização dos profissionais da saúde.

Antes de abordarmos sobre as garantias dadas ao médico residente, é importante mencionar que o PRM é gerenciado pelo MEC, enquanto as atividades do médico residente estão dispostas na Lei Federal nº 6.932/81, que apresenta sobre os direitos e deveres desse médico.

Além disso, em 2011, entrou em vigor a Lei nº 12.514garantindo ao médico residente direito às condições de repouso e higiene, alimentação e moradia, como demonstrada nos trechos da própria legislação abaixo:

O art.  da Lei nº 6.932, de 7 de julho de 1981, passa a vigorar com a seguinte redação:

(…)

§ 5º A instituição de saúde responsável por programas de residência médica oferecerá ao médico-residente, durante todo o período de residência:

I – condições adequadas para repouso e higiene pessoal durante os plantões;

II – alimentação; e

III – moradia, conforme estabelecido em regulamento.

Em primeiro lugar, é preciso registrar que o Auxílio-Moradia é um direito do médico e este não se confunde com o ambiente de descanso oferecido aos residentes.

Em regra, o Auxílio-Moradia deve ser garantido in natura para os médicos residentes, por meio da disponibilização de moradia ou alojamento ao aluno. Contudo, a partir do momento que a instituição de ensino não disponibiliza o alojamento para o médico residente, deverá ser pago a ele um valor indenizatório com o objetivo de ressarcir as despesas do residente com habitação.

Por sua vez, o lugar de descanso é aquele nas próprias dependências da instituição, onde os médicos poderão passar algum tempo entre plantões e atendimentos, por exemplo. Logo, o fato da instituição disponibilizar o local de descanso ao médico residente não a desobriga de fornecer o alojamento ou, no mínimo, o auxílio-moradia, compensação financeira para possibilitar que o médico consiga se instalar durante o período da residência.

Para mais, poucos médicos residentes conhecem este direito, que também é ignorado por grande parte das instituições que oferecem programas de residência.

Nos termos da própria legislação que entrou em vigor em 2011, TODOS os médicos residentes possuem o direito ao auxílio-moradia. Dessa forma, se você está inscrito em um programa de residência médica e a instituição responsável não fornece o auxílio-moradia in natura, é possível o amparo judicial para buscar por esse direito indenizatório.

Em relação àqueles que já encerram a sua especialização, o entendimento dos Tribunais Superiores é o de que todos os especialistas que concluíram o programa em até 5 (cinco) anos, também possuem direito a receber o valor retroativo desse auxílio.

Sobre o pagamento dos valores referentes ao auxílio-moradia, esse deverá ser garantido pelo mesmo responsável pela bolsa residência. Assim, como os programas de residência médica são estabelecidos pelo Sistema Único de Saúde – SUS, tem-se que a União Federal será responsável por prestar o auxílio-moradia para o médico residente. Nos casos dos médicos que já encerraram a sua especialização, esse fator não muda, a União Federal permanece sendo responsável pela restituição dos valores.

Logo, trata-se de um direito do médico, mesmo após a conclusão da residência e independente da situação em que o residente se encontra, sendo dispensado que seja comprovada a renda ou a necessidade do médico residente em receber tais valores.

Além disso, não é permitido subsistir nenhum tipo de regulamentação contrária à prestação do auxílio-moradia, seja em edital ou regimento do PRM, com o objetivo de negar o direito do médico residente.

Por fim, a legislação que regulamenta a obrigatoriedade de prestação do auxílio-moradia não determinou expressamente um percentual do valor a ser recebido pelo médico residente. Diante dessa ausência de determinação, os Tribunais Superiores entenderam que o valor a ser recebido pelo médico residente, ou médico que já tenha concluído sua especialização, será de 30% do valor recebido por ele em sua bolsa de residência médica.

Portanto, é direito devido ao médico residente receber o auxílio-moradia, seja ele in natura ou por meio de indenização (in pecúnia) e mesmo após a conclusão da residência, sendo possível garantir tal direito por meio de uma ação judicial.

Notícias Relacionadas

Você precisa de um advogado?

Entre em contato conosco.

    Open chat
    Oi, tudo bem? Você alguma dúvida?

    Clique aqui e você será redirecionado para nosso WhatsApp!